Como controlar os mioma

miomaSangramento uterino anormal é o principal sintoma que a presença de miomas causa na mulher. Mas, além disso pode ocasionar dor pélvica, infertilidade e nos casos mais avançados leva ao aparecimento de abaulamento ou aumento do volume abdominal, dificuldade de evacuar por compressão do intestino e alterações da micção por compressão da bexiga. Mioma, fibroma, leiomioma são sinônimos de uma lesão representada por caroço de consistência firme que compromete qualquer região do útero.

Os hormônios estrogênios e progesterona podem estimular o crescimento do mioma. A chance de adquirir essa doença é menor nas mulheres que praticam atividade física. A obesidade está associada a maior incidência dessa doença, porque o tecido gorduroso produz estrogênios. Quanto maior o numero de gestações, menor a possibilidade de desenvolvimento de miomas.

Além disso, existe uma predisposição genética demonstrada pela maior incidência de miomas em mulheres com histórico dessa doença na família. Outra questão a ser considerada é o tipo de alimentação: o consumo exagerado de carne vermelha e embutidos em geral, aumenta a prevalência de mioma ao contrario, a ingestão de maior variedade de vegetais nas refeições reduz em 50% a frequência de aparecimento de miomas. Quando chega a menopausa, naturalmente ocorre um queda na produção de estrogênios e outros hormônios. Com isso, a mulher fica mais protegida existindo aí tendência de redução dos miomas. No entanto, fique atenta se você já tem miomas e está em uso de terapia hormonal, porque em alguns casos o tratamento estimula o crescimento dessas lesões.

No momento da investigação e da comprovação de miomas, é extremamente relevante identificar a localização, a quantidade e o comportamento evolutivo dos miomas no útero. Isto porque, dependendo da região acometida ocasionam sintomas específicos. Os miomas são classificados de acordo com a sua posição no útero, podendo ser subserosos, intramurais ou submucosos. Os primeiros ficam na parte mais externa do útero. Os intramurais, na intimidade dos músculos da parede do útero. E os submucosos são mais internos e causam abaulamentos na cavidade uterina.

O miomas submucoso é o mais problemático, porque deforma a cavidade uterina, causa dor  e sangramento com muita frequência a ponto de provocar anemia em algumas mulheres. Ele contribui diretamente para o aumento da incidência de gravidez ectópica (gestação fora do útero) e, por outro lado, é causa de infertilidade e de aborto. Por esses motivos, é preconizado o tratamento prévio do nódulo submucoso em todas as mulheres que desejam engravidar.

Quando os miomas se localizam na parede uterina (intramural) ou na parte mais externa do útero (subseroso), o quadro é bem menos complicado e geralmente não apresenta como consequência sangramento irregular expressivo nem provoca infertilidade. Entretanto, quando aumentam de volume, esses miomas comprimem outros órgãos, ocasionando dor e outros sintomas. Nesses casos pode ser indicado o tratamento cirúrgico por miomectomia (retirada dos miomas) ou histerectomia (retirada do útero).

Os principais exames para o diagnóstico de miomas são: ultra-sonografia, ressonância magnética pélvica e vídeo-histeroscopia. Quando a mulher apresenta sangramento uterino anormal ou deseja engravidar, é fundamental que se faça a investigação por meio da vídeo-histeroscopia. Através dessa técnica também é possível fazer o tratamento com a retirada do mioma.

 

O atendimento da mulher com problemas de mioma é realizado no Dr. Cuida desde a consulta, exames diagnóstico e tratamento incluindo a avaliação da  necessidade de cirurgia ou não.

Para marcar uma consulta ou exame ligue para:

(21) 3153-7719 ou (21) 3153-7990